banner180x90

Entrevista com Mino Carta

Mino Carta

Diretor da Carta Capital

Entrevista realizada por Adriana Souza Silva para AOL em abril de 2004

Título: A mídia implorava pela intervenção militar

Fonte: Núcleo Piratininga de Comunicação

Link: http://www.piratininga.org.br/novapagina/leitura.asp?id_noticia=357&topico=Outras%20Entrevistas

AOL – Como os jornais trataram a notícia do Golpe Militar?
Mino Carta – Golpe?! Imagina se alguém iria usar este termo. Os jornais sempre falaram em Revolução. Até hoje, muita gente ainda diz que foi uma “Revolução”. O uso indiscriminado desta palavra é uma coisa que me dói. Tenho muito respeito pelas palavras, acho que cada uma tem seu peso, seu  valor… Mas, voltando a sua pergunta, a mídia brasileira, desde aquela época, servia ao poder. Digo que o Brasil tem a pior mídia do mundo. Ela é muito ruim, incompetente, priva pela ignorância, pela vulgaridade, pelo distanciamento e pela falta de responsabilidade. A mídia vinha invocando o golpe há muito tempo. Isso é o que mais me lembro dos editoriais de O Globo, do Estadão, do Jornal do Brasil. Nesse tempo, a Folha de São Paulo não tinha o peso que adquiriu depois. Mas esses três jornais soltavam editoriais candentes, implorando a intervenção militar para impedir o caos. Era o caos que estava às portas!

AOL – Então, o golpe era previsível?
Carta -  Era claro que o golpe estava em movimento e logo também foi claro que não haveria qualquer tipo de resistência, a não ser uma ou outra coisa isolada que não adiantaria, naturalmente, para coisa alguma. Quando recebi essa notícia -  nesse período, eu dirigia a redação da revista Quatro Rodas -fiquei estarrecido. Mas, ao mesmo tempo, não fui surpreendido. Aquilo estava engatilhado há muito tempo. De resto, há o fato de que essa tragédia teve um lado -  não diria cômico porque foi uma tragédia baseada na costumeira hipocrisia e prepotência da elite brasileira, insuflada pelos Estados Unidos -, mas eu posso dizer que houve um lado irônico. Tudo foi feito em nome de uma ameaça, do comunismo, que não existia. O Brasil estava em processo de industrialização.

E isso traria certas conseqüências inevitáveis, como por exemplo, o surgimento de sindicatos fortes e o nascimento de um partido de esquerda de verdade, capaz de chegar ao povo, ao contrário do que a esquerda brasileira tem conseguido até hoje. Tudo isso, que iria acontecer mais cedo ou mais tarde, representou, naquele momento, uma justificativa para aqueles que queriam dar o golpe. Aquilo era, evidentemente, previsível. Até porque não houve qualquer  tipo de resistência, não foi derramada uma única e escassa gota de sangue pelas calçadas brasileiras.

AOL – E se tivesse havido sangue?
Carta – Se tivesse havido sangue, teríamos a prova de que havia algum a coisa encaminhada, que o Brasil tinha uma resistência organizada. O fato de não ter havido reação alguma prova, de uma forma clamorosa, que não havia nada que justificasse o golpe. Na verdade, havia sim um estudante que sonhava com um Brasil melhor, um ou outro intelectual que achava que a coisa poderia ter  tomado um outro rumo e até alguns políticos dignos que gostariam de viver em um País mais justo socialmente.

AOL -  O senhor diz que a mídia implorava pela intervenção militar. Mas os donos dos jornais citados pelo senhor falam que foram perseguidos.
Carta – Eles falam isso a custo da destruição da memória. Primeiro, destrói-se a memória. Esse é o processo. Em cima da escuridão, inventa-se qualquer coisa, e os leitores engolem tranqüilamente porque o trabalho é eficaz. A destruição da memória é algo que aqui se pratica com extrema habilidade. Assim como o chute no cadáver, a destruição da memória é um dos esportes nativos do Brasil, praticado com extrema competência. Em cima da destruição da  memória, alguns jornais inventam que sofreram censura. O Jornal do Brasil nunca foi censurado. A Folha de São Paulo nunca foi censurada.

AOL – Nunca?
Carta -  A Folha de São Paulo não só nunca foi censurada, como emprestava a sua C-14 [carro tipo perua, usado para transportar o jornal] para recolher torturados ou pessoas que iriam ser torturadas na Oban [Operação Bandeirante]. Isso está mais do que provado. É uma das obras-primas da Folha, porque o senhor Caldeira [Carlos Caldeira Filho], que era sócio do senhor Frias [Octavio Frias de Oliveira], tinha relações muito íntimas com os militares. E hoje você vê esses anúncios da Folha -  o jornal desse menino idiota chamado Otavinho [Otavio Frias Filho] – esses anúncios contam de um jeito que parece que a Folha, nos anos de chumbo, sofreu muito, mas não sofreu nada. Quando houve uma mínima pressão, o sr. Frias afastou o Cláudio Abramo da direção do jornal. Digo que foi a “mínima pressão” porque  o sr. Frias estava envolvido na pior das candidaturas possíveis, na sucessão do general Geisel. A Folha estava envolvida com o pior, apoiava o Frota [general Sílvio Frota, ministro do Exército no governo Geisel]. O Claudio Abramo foi afastado por isso . O jornal O Globo também não foi censurado. Isso é uma piada. Mas o Estado de São Paulo e o Jornal da Tarde, sim, esses dois foram censurados. Mas a censura veio porque havia uma briga interna deles.

AOL – Como assim?
Carta – Se houve um jornal que apoiou o golpe, foi O Estado de São Paulo. O Estado, assim como o Carlos Lacerda, que acabou caçado três anos depois que a “Redentora” se abateu pelo País. Essa gente aspirava a um papel que não tiveram. Então, começaram a brigar entre eles. O jornal Estado tinha uma profunda antipatia  pelo Castello Branco porque ele não aceitou as sugestões  do jornal na composição de seu primeiro governo. E aí começou essa  briga interna que desaguou numa censura que era praticada na redação do jornal. O Estado tinha de publicar versos de Camões  nos trechos das reportagens retiradas na redação. E no Jornal da Tarde eles tinham de colocar receitas de bolo nesses espaços.

AOL – Quem foi, de fato, censurado?
Carta -  A revista Veja sofreu uma censura duríssima. Começou depois de 1969, depois de várias apreensões em bancas. A censura só acabou quando saí da revista [Mino Carta criou e dirigiu a revista Veja de setembro de 1968 até 1976].

AOL – A Veja nasceu três meses antes do AI- 5. Não havia esse receio?
Carta -  Os senhores Civita não entendiam nada de Brasil. Aliás, acho que> continuam não entendendo. O rapaz Roberto Civita, que é um outro idiota… Entre o Otavio e o Roberto é um páreo duro para ver quem é o mais imbecil… Mas, de qualquer maneira, a revista foi censurada duramente, por muitos anos até 1976. E informo que, a partir de um certo momento, a partir de abril de 1974, ela passou a ser censurada nas dependências da Polícia Federal. Até então, a Veja tinha sido censurada na redação. Os censores iam até lá e liam. Mas quando entrou a Polícia Federal, a Veja passou a ser levada à casa dos censores.

AOL -  E como foi aquele episódio em que o senhor teve de desligar os  telefones da revista?
Carta -  Nós iríamos sair com uma matéria sobre tortura. Era uma grande matéria comandada pela equipe de Raimundo Pereira. A equipe levantou mais de 150 casos de tortura e havia três casos contados em detalhe. Uma semana antes, nós tínhamos saído com uma capa sobre a posse do Médici (1969-1974) dizendo que ele não queria tortura. Fizemos uma puxação de saco com ele e, é lógico, já sabendo que viria em seguida a  matéria com os casos de tortura. Queríamos só preparar o caminho.

Mas aconteceu que a imprensa da época foi atrás da capa da Veja e começaram a dizer, durante toda aquela semana, que o Médici realmente não queria tortura. Por causa disso, saiu uma ordem, numa quinta-feira, de que o regime militar proibia qualquer referência ao assunto. E na sexta-feira [risos], eu mandei desligar os telefones da redação para  não chegar essa ordem até nós. A revista saiu, mas foi recolhida nas bancas. Naquele tempo, não havia assinaturas. Ela ia para a banca e a censura passava recolhendo.

AOL – Como foi sua saída da Veja?
Carta -  Havia uma pressão muito grande dos militares para que eu saísse. E a Editora Abril tinha uma dívida fora do Brasil, de 50 milhões de dólares. Eles pediram um empréstimo à Caixa Econômica Federal, mas era um empréstimo dentro da normalidade, eles o fereceram garantias suficientes. Só que era um pedido, evidentemente, que vinha de uma editora e, portanto, tinha conotações políticas.

A Caixa Econômica aprovou o pedido, mas precisava do aval do ministro da Fazenda. Mas o ministro da Fazenda falou que precisava da permissão do ministro da Justiça e a coisa acabou na mão do Falcão [Armando Falcão, ministro da Justiça].  E o Falcão falou: “Nós vamos dar dinheiro para aqueles inimigos do governo, que publicam a revista Veja?” Então começou essa pressão.

AOL – E por isso Roberto Civita despediu o senhor?
Carta -  Não, eu é que fui ao Civita. Além de dirigir a revista, eu era do conselho editorial da Abril, fazia parte do “board”, como  diziam eles. Bom, participava das reuniões e sabia de tudo. Nesta altura, fiquei penalizado com a situação deles. Em julho de 1975, falei para o Civita: “Eu saio. Durante dois ou três meses, fico por trás do pano, até as coisas ficarem bem. Depois, posso chefiar as sucursais da editora Abril na Europa. Para mim  está ótimo”.

AOL – E qual foi a resposta?
Carta -  Ele não quis. Então, depois de uma semana, voltei a falar com ele: “Bem, se é para eu ficar aqui na Veja, vou continuar fazendo meu papel. Não vou ceder [à censura]“. Ele respondeu que tudo bem. Então, como primeira medida, eu chamei o Plínio Marcos para fazer uma coluna de esportes, na qual você pode imaginar o que ele falava. É isso. Depois ofereci emprego a uma pessoa que fazia parte do grupo do Vladimir Herzog. E voltei a falar com o Civita, que me perguntou o porquê de eu não tirar férias. Eu disse: “Está bem, eu tiro”. E durante as minhas férias, eles se animaram. Quando eu voltei, o Civita me disse que eu  tinha de mandar embora o Plínio Marcos. Eu respondi: “Não mando. Se tiver de mandar embora o Plínio Marcos, você manda me manda embora junto com o Plínio”. E ficou aquele “mando”, “não mando” até que eu saí.

AOL – E com o Millôr Fernandes, foi a mesma coisa?
Carta -  Ah, isso foi antes. Na época do Geisel, eu tinha negociado com o Falcão o fim da censura. Disse a eles: “Vocês querem fazer a abertura lenta, gradual, porém segura, então, tira a censura”. O plano deles, teoricamente, era esse. O Golbery [do Couto e Silva] me disse isso. E, de fato, quatro dias depois que o Geisel tinha tomado posse, o Falcão me chamou até Brasília e disse que a censura sairia.

Eu disse: “Tudo bem, mas isso não me implica nenhum tipo de compromisso?” Ele respondeu que não. Eu voltei e já saímos com uma capa sobre os exilados. Isso causou certos problemas. Depois trouxemos uma matéria sobre os 10  anos do Golpe, o que nos trouxe mais problemas ainda. Até então não havia a censura. Mas aí veio uma charge do Millôr, que tinha uma seção na Veja. A censura voltou com tudo e, a partir daquele momento, veio aquela época a qual me referi antes, de  precisar mandar a matéria para a Polícia Federal.

AOL -  O Roberto Civita chegou a mandar o Millôr Fernades embora por  conta disso?
Carta -  Não. Imagine: ele ofereceu a cabeça do Millôr Fernandes ao Golbery. O Golbery disse a ele: “Não. Eu não estou te pedindo isso”. Esse era o Roberto. O Golbery não conhecia que… Isso eu contei muito no meu primeiro livro [O castelo de âmbar, Editora Record]. Está lá, está tudo lá. E nunca foi desmentido porque não há como desmentir. Aquilo lá é a sacrossanta verdade factual.

AOL -  Uma das coisas que o sr. conta no livro é de que foi o general Golbery quem o avisou que o ministro da Justiça Silvio Frota  iria cair no dia 12 de outubro de 1977. O sr. Já conseguiu descobrir o porquê desta data?
Carta -  Não. Até hoje nunca descobri. Mas só voltando à questão da censura, isso é um assunto que sempre mexe comigo. Pior do que Veja, foi a situação dos alternativos. Veja certamente foi censurada de uma forma duríssima. Pior ainda foi com os alternativos. Os jornais alternativos, digo, o  Opinião -aliás, naquele tempo já era o Movimento -, o Pasquim, o jornal do D. Paulo (Evaristo Arns), da Cúria de  São Paulo, enfim…

Todo esse tipo de publicação tinha de mandar o material para Brasília. Nós, na Veja, mandávamos para a rua Xavier de Toledo, de segunda à sexta-feira, e para casa dos censores, aos sábados. Mas os donos dos  jornais alternativos tinham de mandar para Brasília. Todo o material. Então, alguém pegava uma pasta, levava até Brasília, entregava. Aí, os caras faziam mil sacanagens, devolviam o material e alguém colocava no avião e voltava para o Rio, ou para  São Paulo. Era ainda pior. Eu não conheço censura deste tipo, na história do século passado, em nenhum lugar assim. No tempo do fascismo e do nazismo não era assim. Os censores iam para as redações.

AOL -  A impressão que dá é que, apesar de toda a censura, naquele tempo o jornalismo era mais crítico.
Carta -  Sem dúvida. A busca da entrelinha era real. Havia muitos jornalistas que tentavam enfiar nas entrelinhas algumas coisas. Às  vezes, era algo que só a mãe dele percebia, mas não tem importância. Havia pelo menos esse esforço. Diria que era um jornalismo melhor do que hoje.

AOL -  O sr. fala como se tivesse perdido o idealismo daquela época.
Carta -  Não. Eu sou muito otimista na ação. Tanto que temos aqui a melhor redação que eu dirigi na vida. Sou otimista na ação, sou otimista em todas as bolas, mas não deixo de ser muito cético em relação ao País. Porque há uma sociedade ruim, má e um povo resignado. Então, é difícil você tirar disso alguma esperança para o atual futuro.

AOL -  Afinal, os militares da época não tinham contas nas ilhas Cay man.
Carta -  Evidentemente, havia gente corrupta. Mas era gente menos voltada para este aspecto, para essa questão. Neste aspecto, a culpa deles foi ter protegido muitos corruptos. O Golbery, que certamente teve um papel muito importante para o bem e, sobretudo, para o mal, ele é um homem que morreu pobre, que nunca teve  nada. Não era esse o ponto. Agora, ele tinha uns amigos do capeta. É muito simbólica essa maneira de ver as coisas. O Andreazza [general Mario Andreazza] também é outro acusado de não sei o quê. Pois morreu e os amigos tiveram de fazer uma vaquinha para o enterro. Mas, certamente, ele tinha uma tranca de amigos muito perigosos.

AOL – E quais são os nomes desses amigos perigosos?
Carta -  É melhor silenciar… Há referências a todos em O castelo de âmbar.

Add Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *